Últimas Notícias | 01 de fevereiro de 2022

Atualizado: 17 de mar.

Ano 15, Edição 006.


"É loucura odiar todas as rosas porque uma te espetou."

(O Pequeno Príncipe)



Máscaras faciais tornam as pessoas mais atraentes

Um novo motivo para usar uma máscara facial: as máscaras protetoras tornam os usuários mais atraentes. Oliver Hies e Michael Lewis, da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, mediram como diferentes tipos de máscaras faciais influenciavam a atratividade de 40 rostos masculinos. Os resultados vão contra as pesquisas pré-pandemia, quando os resultados indicavam que as máscaras faziam as pessoas pensarem sobre doenças, passando a evitar a pessoa que as usava - longe de tornar as pessoas atraentes, as máscaras produziam um efeito similar à repugnância. "Pesquisas realizadas antes da pandemia descobriram que as máscaras faciais médicas reduzem a atratividade - então queríamos testar se isso havia mudado desde que as coberturas faciais se tornaram onipresentes e entender se o tipo de máscara tinha algum efeito," disse Lewis.



Atraência e esconder defeitos - De fato, parece que a associação da máscara a cuidados consigo próprio e preocupação com os outros mudou a impressão que esse novo vestuário causa nas pessoas. Os resultados mostram não apenas o desaparecimento do "efeito repugnância", como uma tendência a considerar as pessoas mais atraentes. E o efeito foi maior quando os usuários usavam máscaras azuis, muito comuns entre os profissionais de saúde. As máscaras azuis aumentaram a atratividade facial mais do que os outros tipos e cores de máscaras. "Nosso estudo sugere que os rostos são considerados mais atraentes quando cobertos por máscaras médicas. Isso pode ser porque estamos acostumados a profissionais de saúde usando máscaras azuis e agora as associamos a pessoas de profissões médicas ou de cuidados. Em um momento em que nos sentimos vulneráveis, podemos achar o uso de máscaras médicas reconfortante e, assim, nos sentirmos mais positivos em relação ao usuário. "Também descobrimos que os rostos são considerados significativamente mais atraentes quando cobertos por máscaras de tecido do que quando não cobertos. Parte desse efeito pode ser resultado da capacidade de ocultar características indesejáveis na parte inferior do rosto - mas esse efeito esteve presente tanto para pessoas menos atraentes quanto para as mais atraentes," detalhou Lewis.


(Texto extraído do artigo científico entitulado ”Beyond the beauty of occlusion: medical masks increase facial attractiveness more than other face coverings”, dos autores: Oliver Hies, e Michael B. Lewis, publicado na revista Cognitive Research Principles and Implications)


SpaceX Rocket Part On Course to Collide with the Moon

Welcome to the 2020s, where it’s another day, another doomsday headline. Luckily for us, this next story probably sounds worse than it actually is. But it does sound bad. Reports say that a piece of a SpaceX rocket is on a collision course with the Moon. And while astronomers say this is set to be the first instance of space junk hitting the moon, it’s probably not something to worry about too much. In fact, one expert wrote in a blog post that he’s “rooting for” a lunar impact.


So here is what reportedly happened: SpaceX is well known for recycling its rocket boosters but on a mission seven years ago, one booster spent too much fuel on its launch, rendering it incapable of being returned to earth for reuse. Instead, it’s been basically adrift in space ever since. Recently, scientists discovered that the 3.6 ton chunk of space junk is heading straight towards the Moon. When similar scenarios happen near earth, the earth’s fiery atmosphere does the hard work of burning up most of the object but since the Moon doesn’t have a similar atmosphere, the booster is expected to strike its surface. Luckily, the result will be, in the words of one Harvard astronomer, “just another hole in the green cheese.” Turns out this booster crash will only be noteworthy because it was accidental.


To solve more Moon mysteries - For years, researchers have deliberately created craters in the name of science, including the development of a lunar satellite that’s equipped with projectiles. Shooting a 40-foot rocket section at the lunar surface in 2009 even helped scientists confirm that there was water on the Moon. Likewise, space enthusiasts seem to be hoping that the incidental impact of the SpaceX booster might yield some scientific evidence that can help solve more mysteries on the Moon. (Manufacturing.Net newsletter)


Mais sobre o preço recorde da soja

A demanda por soja tem superado a oferta no mercado interno, levando os preços a registrarem recordes nominais. De acordo com pesquisadores do Cepea, indústrias domésticas e compradores internacionais estiveram mais ativos nas aquisições da soja brasileira nos últimos dias. Porém, as compras foram limitadas pela baixa oferta. De acordo com os dados do Cepea, a entrada vagarosa da safra e as incertezas quanto ao rendimento têm deixado sojicultores reticentes nas comercializações de grandes volumes. O Indicador CEPEA/ESALQ Paraná avançou 1,7% entre 21 e 28 de janeiro, a R$ 180,32/sc de 60 kg no dia 28 – o valor nominal mais alto da série do Cepea, iniciada em jul/97. O Indicador ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá registrou recorde nominal da série do Cepea, a R$ 184,22/sc de 60 kg, na quarta-feira, 26. No dia 28, porém, a média recuou para R$ 183,80/sc de 60 kg, com alta de 2% em sete dias. (Portal AGROLINK)


Soja é cultivada em 20 estados brasileiros

A era da soja como principal cultura agrícola no País se solidificou no início do novo milênio, com maior expansão na área do cerrado brasileiro, após seu início com plantio comercial nos anos de 1960 no Rio Grande do Sul. No ciclo 1976/77, conforme a série histórica da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) então iniciada, sete estados plantavam o grão: na sequência de maior área, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Santa Catarina, Mato Grosso, Minas Gerais e Goiás. No período 2020/21, foram 20 estados com plantio, destacando-se na safra o crescimento de área em Minas Gerais, no Sudeste (com 15,3% sobre o ano anterior, 11% na região), e no Pará, ao Norte (20%, com índice de 10,5% na região).


O atual líder na produção brasileira da leguminosa, o Mato Grosso, no Centro-Oeste, assumiu esta condição em 2000, ultrapassando os sulistas Rio Grande do Sul e Paraná, que até então estavam à frente, passando os paranaenses à liderança em 1996, enquanto ultimamente ambos se revezam na vice-liderança, com os gaúchos ocupando esta posição em 2021. O atual quinto colocado, Mato Grosso do Sul, apareceu na produção na etapa 1977/78, a nordestina Bahia (sétimo) e Distrito Federal, no ciclo 1979/80; e ainda no Nordeste e Norte, o Maranhão, na temporada 1984/85; Rondônia e Alagoas, no ano seguinte; Tocantins e Piauí, na fase 1987/88; Pará, na safra 1997/98, Roraima e Amazonas, na temporada 2001/02, e Amapá, no ciclo 2016/17. No ano a seguir, depois de períodos sem produção, Alagoas e Amazonas voltaram à atividade e se inseriu o Acre, integrando assim, embora ainda com pouca representatividade, todos os estados nortistas.


A área total de soja no País chegou a crescer 454,5%, de 6,9 para 38,5 milhões de hectares, entre o ciclo 1976/77 e a safra 2020/21, e a produção teve evolução superior a 10.000% (de 12,1 milhões de toneladas para 135,9 milhões de toneladas), porque a produtividade evoluiu mais de 100%, de 1.748 a 3.527 quilos por hectare, tendo o Paraná na liderança deste quesito no período inicial, com 2.091 kg/ha e a Bahia em 2021 (com 4.020 kg/ha, obtidos na produção concentrada no cerrado do Extremo Oeste do Estado). Bahia, Maranhão, Tocantins e Piauí formam o conhecido Matopiba, no cerrado do Nordeste/Norte, que apresentou forte avanço em períodos recentes, após incremento no mesmo bioma do Centro-Oeste, porém agora mostra ritmo menos intenso, ocorrendo uma expansão mais distribuída nas regiões e com maior ocupação de áreas de pastagens.


AUMENTO GERAL - Entre os maiores produtores, todos apresentaram aumento no cultivo e na produção recordes da safra 2020/21 em relação à anterior, com exceção do sulista Paraná (agora o terceiro), que foi muito afetado pelo clima, como havia acontecido no ano anterior com o Rio Grande do Sul (agora segundo), além do nortista Tocantins (nono). Por isso, o Paraná teve recuo de 8%, conforme a Conab, ou 5%, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura do Estado, enquanto o Rio Grande do Sul, em recuperação, incrementou o volume em mais de 80% sobre o período antecedente, de acordo com a Conab e também a empresa de assistência técnica estadual, a Emater/RS-Ascar.


No líder Mato Grosso, a Conab observou menor produtividade (2,8%) e produção estável na temporada 2020/21, com 2,9% de aumento de área, mas o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) apurou acréscimo no volume produzido, de 35,40 para 36,05 milhões de toneladas, com área 4,7% maior (passando de 9,99 a 10,46 milhões hectares no total estadual). Para a próxima safra do grão, os órgãos estaduais preveem novo incremento de área nos três maiores produtores: de respectivos 3,59% (Mato Grosso), 3,62% (Rio Grande do Sul) e 1% (Paraná), mantendo o avanço no espaço que, de modo geral, o País, nos mais diversos estados, dedica à sua principal cultura. (Texto do Anuário Brasileiro da Soja 2021, da Editora Gazeta)



Upbeat Consulting

Performance em transições de carreira, de informação e de negócios.

+55 11 5199 2919 | www.upbeatconsulting.net


Vamos com tudo!


Rodrigo N. Ferraz | rodrigo@upbeatconsulting.com.br

Ruben D.F. Ferraz | r.ferraz@upbeatconsulting.com.br


Tags: #serviços #tecnologia #alimentos #varejo #aconselhamentoparaqualquermomentodecarreira #vagasdifíceis #headhuntingvagasdifíceis #outboundhiring #boletimupbeatmdc #upbeatconsulting #energiasalternativas #vamoscomtudo #agronegocios #marketingparamarcasempregadoras