ÚLTIMAS NOTÍCIAS | Ano 12 | Edição 052

Atualizado: 27 de Ago de 2019


Headhunter sp, Headhunting brasil, Executive Search, Consultoria Empresarial, Gerenciamento de Carreira, Aconselhamento Profissional SP, M&A Brazil, SEO

"Elogiar-se é coisa de vaidoso, depreciar-se, de tolo.” (Aristóteles)

Os países mais inovadores do mundo

Saiba quais são os países que lideram o ranking de nações mais inovadoras de 2019, seus pontos fortes e startups de maior destaque. A Suíça aparece no topo do ranking dos países mais inovadores do mundo pelo nono ano consecutivo, de acordo com o ranking atualizado da GII - Global Innovation Index. O índice global de inovação organiza países de acordo com sua capacidade de inovar, baseado em diversos fatores, como investimento em educação, desenvolvimento econômico e social, incentivo à pesquisa, infraestruturas, produção e distribuição de alimentos, impostos, modernização dos negócios entre outros. A China tem sido um dos maiores destaques do índice desde 2018, sendo a única economia emergente a figurar no top 20 da lista. Neste ano alcançou uma posição ainda melhor graças às suas políticas governamentais, incentivo à pesquisa e desenvolvimento e inovações em saúde pública. No ranking geral a China aparece em 14º lugar, à frente de grandes economias como Japão, França e Canadá. Em 2018 havia ficado em 17º.


Os cinco países mais inovadores

A seguir, saiba o que têm feito os cinco países mais inovadores que ocupam o topo da lista e conheça algumas de suas startups.


Suíça

De acordo com o GII 2019, os principais fatores para a inovação e sucesso consistentes da Suíça, que a mantém há quase uma década no topo do ranking, são seus valores de propriedade intelectual e patenteação de primeira linha, com altos investimentos em tecnologias, pesquisa e desenvolvimento, além das excelentes universidades. Suas startups que no momento mais estão chamando mais atenção são:


AKTIIA: Desenvolveu uma pulseira de monitoramento de pressão arterial com sincronização a smartphones. A tecnologia combina sensores óticos comuns e algoritmos de software para medir a pressão sanguínea de um indivíduo. Recebeu um financiamento de US$ 4,1 milhões para desenvolvimento e validação do produto.


WAYRAY: Desenvolve tecnologias de realidade aumentada holográficas para veículos do futuro, e entre seus investidores estão nada menos que a Porsche e a Hyundai. Já arrecadou mais de US$ 100 milhões em financiamentos.


FRONTIFY: É uma plataforma B2B SaaS para gerenciamento de marcas, que ajuda a criar experiências consistentes em todos os canais de comunicação. Recentemente levantou US$ 8,3 milhões para construir mais produtos e expandir dentro dos EUA.


Suécia

Reconhecidamente um dos países mais tecnológicos e inovadores, subiu uma colocação na lista dos países mais inovadores a partir de 2018, o que coloco o país nórdico o segundo mais inovador do mundo, suplantando até mesmo o primeiro colocado em alguns temas, como infraestrutura e sofisticação dos negócios. É exemplo para todo o mundo em relação à segurança social, administração pública, saúde e educação. Suas startups de destaque são:


KRY: Está transformando o mundo da saúde, tornando o atendimento mais acessível e conveniente através de chamadas de vídeo totalmente gratuitas, abertas 24h por dia. O aplicativo recebeu nota média de 4.8 dos usuários nas lojas de aplicativos e conta com US$ 91 milhões financiados.


MIN DOKTOR: É semelhante à KRY, e já recebeu diversos prêmios como a melhor startup da Escandinávia. É conhecida como o exemplo perfeito de empreendimento que usa tecnologia moderna para melhorar a vida dos outros. Arrecadou US$ 76,4 milhões em financiamentos.


LENDIFY: É a maior plataforma de empréstimo interpessoal da Suécia, que garante investimentos acima de US$ 1 bilhão a seus usuários. Arrecadou um total de US$ 300 milhões em financiamentos em 11 rodadas.


Estados Unidos

Lidera o tópico de inovação de mercado, com crescentes investimentos em tecnologia com resultados de excelência. Suas empresas dominam o mercado global, porém o país tem declinado desde 2007, quando figurava em primeiro lugar do ranking geral. As startups WeWork (coworking), Airbnb (hospedagem) e Juul Labs (cigarros eletrônicos) lideram como as mais rentáveis, com subsídio de US$ 45 bilhões para a primeira e US$ 38 bilhões para as outras duas. A SpaceX, de Elon Musk, também figura na lista com valor de mercado superior a US$ 30 bilhões.


Holanda

O país caiu duas posições desde 2018, mas continua muito relevante nas pontuações de produção de inovação e absorção de conhecimento, além de ter tido grandes melhorias nos gastos do governo com pesquisa e desenvolvimento. Também apresentou aumento significante no número de mulheres empregadas em cargos avançados. Duas de suas maiores startups estão na área de mensageiros e telecomunicação.


SIILO: Rede de mensagens gratuita criada especificamente para equipes de saúde, com foco em gestão, acompanhamento e discussão de casos, de modo seguro e criptografado.


MESSAGEBIRD: Plataforma de comunicações em nuvem que conecta empresas a seus clientes globais e é considerada como a empresa de telecomunicações do futuro. Ajuda 15.000 organizações a enviar mensagens ou se comunicar com clientes via chat, voz ou vídeo. Desembolsou US$ 60 milhões em financiamento na primeira rodada, maior investimento de capital de risco de estágio inicial em uma empresa de software europeia.


Reino Unido

Caiu da quarta para a quinta colocação em 2019, mas continua sendo muito expressivo em investimentos tecnológicos, sendo um dos países com o maior número de startups na área, sendo pioneiro em ideias e negócios que moldam a forma como vivemos. As startups britânicas de destaques são a Prodigy Finance, plataforma digital especializada em empréstimos a estudantes internacionais de pós-graduação, que arrecadou US$ 1,3 bilhão, e a Deliveroo, o ‘iFood’ britânico, com US$ 956.6 milhões financiados.


Top 20

Seguem os vinte países em ordem decrescente de inovação: Suíça, Suécia, Estados Unidos, Holanda, Reino Unido, Finlândia, Dinamarca, Cingapura, Alemanha, Israel, Coréia do Sul, Irlanda, Hong Kong, China, Japão, França, Canadá, Luxemburgo, Noruega e Islândia.


Brasil

O Brasil aparece no GII entre a 60ª e 70ª posições na última década. Dentre os países da América Latina, está posicionado em quinto lugar, perdendo para Chile, Costa Rica, México e Uruguai, respectivamente. “Há falta de habilidade ou interesse das universidades brasileiras em patentear possíveis inovações – e quando o setor privado decide fazer isso, na maioria das vezes é fora do âmbito da academia. Por outro lado, vemos que o número de patentes tem aumentado enormemente na China nos últimos dez anos. Não vemos nada disso acontecendo no Brasil”, disse Bruno Lanvin, co-autor do relatório e diretor executivo de Índices Globais do INSEAD Business School. “O Brasil também não produz talentos suficientes para implementar, desenvolver e produzir inovação.” “As carreiras científicas e tecnológicas não atraem quase tantas pessoas – especialmente meninas – quanto você pode ver em outros países”, concluiu. (Portal Consumidor Moderno - Carolina Cozer)


Nota do editor – São lamentáveis as declarações do coautor do GII, que mostra, com evidente preconceito, desconhecer o que vem acontecendo em inovação no Brasil, com o desenvolvimento de startups nacionais, que positivamente surpreendem com inovações na área de agronegócios. Lamentável também é notar que alguns brasileiros se acostumam, insistem e se deleitam em expressamente divulgar a depreciação de seu próprio país. Bem dizia Aristóteles sobre esta questão.

Nespresso cria bicicleta feita a partir de cápsulas de café descartadas

Depois de dois anos em desenvolvimento, a bicicleta RE: CYCLE está pronta para rodar. A bicicleta foi feita com 300 cápsulas de expresso. O modelo de edição limitada é vendido por 1.290 euros ou aproximadamente 1.450 dólares pela RE: CYCLE é a mais recente iniciativa da Nespresso de expressar seu compromisso com a promoção de uma economia circular. Como possibilidade de dar vida nova a bilhões de cápsulas descartáveis ​​de café utilizadas em todo o mundo a cada ano, a nova bicicleta foi construída utilizando 300 cafés expressos. A empresa de propriedade da Nestlé usa o alumínio em suas cápsulas, um material que pode ser derretido e reaproveitado infinitamente. O objetivo foi utilizar recursos para encorajar os clientes a reciclar suas cápsulas Nespresso, que até já foram transformadas em canivetes suíços, canetas de luxo e novas cápsulas de café.


A ideia da bicicleta - A ideia de criar a bicicleta é de Jimmy Östholm, ex-gerente de comunicações da IKEA, que virou empresário de bicicleta. Intrigado com as campanhas de reciclagem da Nespresso, Östholm indagou sobre a possibilidade de obter parte de seu alumínio reciclado. O maior desafio técnico, segundo o criador, era encontrar uma maneira de converter o alumínio leve em um material rígido o suficiente para atender aos padrões de segurança de fabricação de bicicletas. “Não foi ciência de foguetes em nenhum sentido. Apenas levou algum tempo”, explica ele.


A nova bike - Tem alguns detalhes de design que sugerem sua origem. A cor de ameixa da moldura ecoa a embalagem da popular variante Arpeggio da Nespresso, Já seu sino tem a forma de uma cápsula de café e a cesta de transporte tem duas correias bacanas para garantir copos de café, entre outras coisas. Östholm espera que outros designers de produtos possam se inspirar para trabalhar com alumínio reciclado para compensar a demanda constante por cápsulas descartáveis. “Diferentes produtos precisam de diferentes composições de alumínio, mas basta olhar para a possibilidade de reciclagem”, diz ele. “Todo o alumínio que existe pode ser reciclado novamente em novos produtos. Eu acho que é realmente a mensagem aqui”, finaliza. (Portal Consumidor Moderno)


Upbeat Consulting | Upbeat MDC Consultoria Empresarial Ltda.

Gerando soluções nas transições de carreira, de informação e de negócios.

Rodrigo N Ferraz | rodrigo@upbeatconsulting.com.br | 5511 4200 8327

Ruben D F Ferraz | r.ferraz@upbeatconsulting.com.br | 5511 4192 3929



Upbeat Consulting | Headhunting, Vagas Difíceis

Performance em transições de carreira, de informação e de negócios.