Buscar

Você procura um emprego ou troca cartões?


O profissional diferenciado formula perguntas, questiona, posiciona-se. E não apenas “responde”.

Como headhunter, seguramente afirmo: os melhores candidatos serão sempre aqueles que estiverem à frente de seus passes profissionais. Assim, é fato que você, profissional, numa "reunião de negócios" (ou, na popularmente conhecida "entrevista"), deve mostrar-se “seguro” (não apenas no “clichê” da palavra) apresentando-se interessado no que pode oferecer. E não somente (e pontualmente somente) no emprego em que poderá obter.


Digo sempre aos profissionais atendidos pela Upbeat Consulting, em processos de headhunting ou em aconselhamento profissional: “entrevista” não é o termo que melhor define o momento daquela conversa. Trata-se de (e assim portanto veja-se em) uma “reunião de negócios” onde candidato e “entrevistador” procuram valor agregado mútuo a ser avaliado e, efetivamente, trocado.


Desde já tenha em mente sua história profissional de forma concisa e verdadeira. É o seu ativo. É o que você tem a oferecer. Seu histórico profissional é concreto pois reflete o que você fez e o que este representa para si, para os seus antigos empregadores e, obviamente, para o seu futuro chefe. O profissional diferenciado formula perguntas, questiona, posiciona-se. E não apenas “responde”.


Como exemplos, algumas questões que podem e devem ser dirigidas ao seu “entrevistador” na sua próxima “reunião de negócios”:


“O que chamou a sua atenção em mim para motivar seu interesse em me conhecer?"

Essa é ótima: não só porque ressalta, para o “dono da vaga”, o motivo de ele ter escolhido você entre tantos outros, mas porque oferece a você ganchos de conversa e reforça o que torna você diferente dos demais. Por exemplo, o “entrevistador” responde que as suas experiências e atividades chamaram a atenção dele. É uma bela oportunidade de você ilustrar o seu espírito empreendedor buscando sempre manter-se “fora da caixa” (e da sua zona de conforto) em direção a objetivos profissionais e pessoais claros e específicos (mais do que oportuno nos tempos atuais, quando ninguém pode prever - profissionais e empresas - o dia de amanhã). Ou ainda ele ser “seduzido” pelo seu mix de experiência e prática. Reforce a sua imagem positiva, o seu espírito prático de “fazer acontecer” relembrando do seu histórico os momentos onde colocou seus conhecimentos em ação obtendo resultados mensuráveis.


“Existe algo que te impeça a me contratar hoje?"

É uma outra boa questão para “ganchos” permitindo, do entrevistador, que você se posicione mais assertivo e demonstre o seu potencial e os seus diferenciais. Siga a questão acrescentando argumentos tipo “algum conhecimento específico ou atividade que você acredite que ainda eu precise desenvolver?” permitindo saber se o novo desafio poderá contribuir neste aprendizado; ou se alguma outra atividade anterior que você ainda não comentou pode suprir esta lacuna.


“Qual é a sua projeção para o departamento nos próximos meses?”

Super oportuna, a questão deixa você informado e consciente sobre o que de fato a empresa e o potencial chefe procuram, permitindo uma avaliação ainda mais precisa dos pontos de sinergia e dos pontos ainda a serem alinhados. Você pode projetar, a partir da situação atual da empresa, os próximos passos para a realizar o que está sendo planejado. Se a meta é superar algum concorrente ou lançar algum novo produto, você poderá demonstrar o seu conhecimento do mercado, ameaças, oportunidades e os pontos fortes e fracos dos principais concorrentes.

Lembre-se de que você estará sempre estabelecendo um diálogo de troca. E mesmo se a posição que está concorrendo “não for para você”, você poderá obter um feedback mais realista e prático de como o mercado em que você atua vem se comportando.


“Quais os resultados que são esperados de mim e em quanto tempo espera que eu os alcance? Como vocês medirão meus resultados e o sucesso das minhas atividades?”

A conversa segue: você procura entender o que precisa ser feito e pode articular sequência aos pontos necessários para alcançar os objetivos planejados que agora você conhece. A pergunta ainda permite você expor a sua motivação deixando o entrevistador perceber que o desafio é atraente para você. Dê exemplos de seu histórico e antigas atribuições. Mostre que tem habilidades e que não está somente imaginando... Você cumpre o que será atribuído a você. Seu potencial chefe estará visualizando você na função e fazendo o que é preciso para entregar os resultados que ele espera.


“Há alguma outra área na empresa onde você acha que eu poderia agregar valor?”

Se percebeu que o desafio não é para você ou sentiu potencial desinteresse, esta é uma excelente possibilidade de trazer novamente as suas qualidades e potencial à tona. Mesmo que você não represente uma solução ideal para a demanda informada, você é pró ativo e busca soluções. Seu entrevistador poderá sentir-se impulsionado a qualificar você para a função (potencialmente enxergando os valores que você já agregaria às funções e atividades dele) ou tentar encaixar o seu perfil em outra atividade com mais possibilidades de sucesso.

Enfim, o bate-papo na "entrevista", ou melhor, na sua reunião, sempre é uma oportunidade para você aprender. Pode ser que o desafio não seja para você mas é uma interessante oportunidade para ampliar a sua rede de contatos.


Tenha cartões de visita pessoais e troque-os com o entrevistador.


O bom profissional, portanto, conhece o seu produto como ninguém. O seu “discurso” é claro, concreto. Aponta e destaca da sua história os pontos sinérgicos à oportunidade e ao desafio apresentado.


Não enxergue a sua recolocação apenas como uma solução pontual. E sim, como uma oportunidade de progresso pessoal e de evolução em sua carreira. Bons profissionais não são apenas os escolhidos e sim aqueles que também podem e sabem escolher.


Sucesso! Bons negócios! Vamos com tudo!

Upbeat Consulting | Headhunting, Vagas Difíceis

Performance em transições de carreira, de informação e de negócios.