Buscar

Por que quem já está trabalhando consegue mais oportunidades do que quem não está?


Quer ficar na marolinha? Ou nadar de braçada?

Olá! Já reparou algumas coisas que sempre acontecem:

  • Pessoas que estão empregadas parecem "nadar de braçada" e são as preferidas nos processos seletivos;

  • Estas pessoas parecem não ficar aflitas, ansiosas ou se debatendo, mesmo que mergulhem no desemprego. E mesmo quando isso acontece ficam pouco tempo com a água no pescoço?

Há algum tempo venho discutindo estes temas com os profissionais que nos relacionamos aqui na Upbeat Consulting e olha só: profissionais ocupados (empregados ou não) têm foco em suas atividades diárias que os levarão à progressão para águas mais profundas de carreira. E não se afogam na falta de um melhor (ou apenas de um) salário que os remunere. Estes profissionais estão sempre à frente dos seus passes!


Assim, reflita:

  • Profissionais que conduzem buscas trabalhando (empregados ou ativamente trabalhando no seu passe) são mais tranquilos e menos ansiosos por resultados. Além disso, por "estarem estáveis" assim dizendo, tem mais consciência sobre sua própria continuidade de carreira (determinante para desafios progressivos e/ou mais longevos). Além de mais assertivos em negociações;

  • O que gera ansiedade é a falta de atividade e não a falta de remuneração. A falta de atividade te mantém "se debatendo" no problema. Além disso, remuneração é resultado, consequência de atividade. E não, causa. Saia à tona e respire!

Quando um profissional empregado procura um novo desafio, em geral, já sente alguma falta de perspectivas para o seu crescimento no atual empregador - seja esta financeira, em desafios estimulantes, ou ambos. E, à frente do seu passe, procura por outras águas para mergulhar! Assim, não abrindo mão do atual trabalho (que o remunera e que, especialmente, o ocupa), além de melhor barganha numa futura negociação, é muito mais paciente quanto ao tempo tomado para o resultado acontecer. E o mais interessante: a nova oportunidade acontece pois o profissional navega além do mar de "possibilidades" e mergulha nas águas da "probabilidade".


Costumo dizer que a busca pelo trabalho é um mergulho e tem três níveis:


a. responder ao que é anunciado, somente

Aqui se encontram em uma menção livre (só para facilitar o raciocínio) uns 80% do universo de desempregados. Estas pessoas ficam na superfície dos processos e não geram maior recall para os seus passes justamente porque não enxergam que podem ir além da passividade de apenas responder (fazer isso não é diferencial e sim obrigação).

Além disso, tendem - com o passar do tempo - ao envio de um número ainda maior de currículos preocupando-se cada vez menos com a sua aderência às vagas. Acabam se frustrando ainda mais pois com mais candidaturas menos aderentes e a autopercepção de mais currículos circulando, a falta de feedback ou os "nãos" só aumentam na mesma proporção.


b. aplicar-se aos processos com maior aderência ao perfil, não deixar o passe "solto" e abrir canais de comunicação com empregadores que possam ser transcendentes às candidaturas de vagas

Aqui temos um mergulho mais profundo mas nem sempre ainda suficiente para encontrar o novo desafio mais rápida ou eficientemente. Diria que 15% do universo de quem procura por trabalho está aqui. São profissionais que vão pouco mais além, que tem mais propósito em sua carreira e que notam que o processo de seleção é também uma potencial oportunidade para ampliar sua rede de relacionamentos. Assim, se você encontra-se neste time ou pensa em ir mais a fundo, dicas para aumentar o seu oxigênio no escafandro: troque cartões e esqueça a palavra entrevista.


c. Estar à frente do próprio passe, não depender de "vagas abertas" e procurar estabelecer interlocução com quem decide pela posição. Enfim, trabalhar no próprio passe e na recolocação como em um descritivo de cargo.

Acredito que se você fizer isso, passará da arrebentação e já se encontrará junto a uns 5% dos profissionais mais bem qualificados para a busca de oportunidades. Poucos são os "peixinhos dourados" que percebem que os alvos estabelecidos devem ser seus próprios e que demandas "escondidas" podem ser detectadas por esta forma. Aqui, muitas vezes processos nem chegam a ser abertos e você passará a interagir mais contundentemente com quem realmente DECIDE por sua contratação.


Acredite: profissionais que mergulham além, além da arrebentação descobrem - e ocupam- oportunidades com muito mais frequência. E você: vai continuar na marolinha? Ou quer nadar de braçada?


Vamos com tudo!


Upbeat Consulting | Headhunting, Vagas Difíceis

Performance em transições de carreira, de informação e de negócios.