Buscar

Os 11 erros que te separam do seu novo emprego. (E da sua tranquila noite de sono)


Esteja convicto: "quanto mais currículos enviados maiores as suas chances" só é verdade se existir um mínimo de adequação.

Se você já está há algum tempo procurando por um novo trabalho, especialmente se está desempregado há alguns meses, sabe o quanto isso é desgastante. Até aqui, sem novidades. Mas saiba os 11 erros mais comuns e que você deve evitar se deseja abreviar a sua busca, concretizar uma nova oportunidade profissional e dormir mais tranquilo.


1. Se contentar com qualquer coisa

As contas não param de chegar e suas reservas, se já não se esgotaram, estão no fim? Você está desacreditado pela família, sente-se sozinho e pouco valorizado? Acredita que não vai conseguir nada e começa a topar qualquer coisa? Calma. Obviamente imagino o quanto preocupado você está. E um dos erros mais comuns é “tentar qualquer coisa”. Esteja convicto que “quanto mais currículos enviados maiores as suas chances” só é uma verdade “verdadeira” se existir um mínimo de adequação. Com os processos seletivos repletos de aplicantes, os recrutadores estão ainda mais criteriosos na escolha e na adequação dos perfis. Não estime as suas chances de entrevista tomando como base o número de currículos disparados. Sem adequação isso só vai aumentar os “nãos” e a ausência de respostas. E, logo, deixar você ainda mais para baixo.


2. Aplicar-se para oportunidades sem aderência

Não é porque você é um especialista em marketing para produtos de giro rápido que o seu conhecimento será aplicado com sucesso para a gestão de marketing BtoB em uma indústria de mineração. Preserve-se. Saiba reconhecer segmentos e empresas que podem ter mais interesse pelo seu passe e pela sua experiência. Mantenha-se funcionalmente alinhado. Observe os movimentos e tendências do seu segmento de atuação, fornecedores, clientes e players que orbitam nesse universo. Reconheça e admita o seu lugar. Lute por ele sem faltas ou exageros. Retome contatos com profissionais do setor e da sua área de atuação. Procure estabelecer contatos e obter chances de exposição ao invés de procurar somente pelas oportunidades que estão divulgadas.


3. Definir alvos muito altos

Da mesma forma que acima, você não deve se candidatar à oportunidades que exijam mais experiência e qualificações à frente daquelas que você pode oferecer. Tente combinar suas habilidades e experiência com algo que faz mais sentido. Definir o seu alvo muito alto só vai deixar você decepcionado com potenciais rejeições. Além disso desperdiçará uma quantidade considerável do seu tempo e da sua energia.


4. Mirar somente vagas abertas e divulgadas

Aplicar-se a vagas adequadas e disponíveis é uma obrigação. E não um diferencial. Por isso, esse não deve ser o seu foco exclusivo de busca. Os melhores empregos, na maior parte das vezes, não estão publicados e são preenchidos por relacionamento – é o que acontece quando um chefe pede indicações para uma vaga à sua equipe, por exemplo.


5. Não usar as suas redes e o seu networking

Quer você aceite ou não, o boca-a-boca ainda é a técnica de marketing e vendas mais eficaz. E de todas as formas que as empresas podem usar para preencher as suas posições é, certamente, a mais utilizada. Assim, esteja sempre com a sua rede de relacionamentos ativa. Mantenha contato com ex-chefes e ex-colegas. Saiba por onde andam e o que estão fazendo. Troque com eles. Quem sabe a sua oportunidade não pode vir por estas indicações? Além disso, comunique as suas intenções, objetivos e focos de busca profissional a outros profissionais de sua confiança nos grupos dos quais faz parte, seja o pessoal da corrida, os membros da sua igreja ou os pais dos amigos do seu filho.


6. Ser descuidado

O seu currículo está à mão? Atualizado? Você consegue ser direto, simples e objetivo em contar seu histórico profissional em poucas palavras dirigindo-o para o seu objetivo profissional com eficiência? Revise o seu CV eliminando possíveis erros de ortografia, digitação e concordâncias. Peça para alguém de confiança ler e verificar se é claro e se transmite diferenciais. Tenha-o pronto para o disparo. Bem como, de forma firme, resumida e tranquila, tenha seu discurso na ponta da língua. Saiba definir-se e vender-se para sempre que for questionado. E você nunca sabe quando vai ser.


7. Disparar currículos “tamanho único”

Dispara ou aborda oportunidades sempre com o mesmo CV? Adquira o hábito de mantê-lo enxuto e de customizar o seu currículo de acordo com os requisitos da oportunidade. Omita toda a informação que é inútil ou irrelevante para o desafio em questão. Por exemplo, ao se aplicar para uma vaga em vendas, declarar a sua experiência em logística (a menos que dirigida especificamente ao segmento ou solicitada no descritivo de posição) é gordura desnecessária.


8. Não agir profissionalmente

Profissionalismo inclui tudo, desde a forma como você se comporta em sua entrevista, o vocabulário que você usa em seus documentos, a maneira de se vestir, pontualidade e até mesmo os endereços de e-mail que você usa ou o nome que você dá aos anexos enviados em suas mensagens. Um endereço de e-mail como “tais_linda@outlook.com” ou um arquivo nomeado como “cvmarketing_versão3.doc”- são totalmente inexpressivos - para não dizer contraproducentes.


9. Não se preparar para a entrevista

Novamente falamos aqui de uma obrigação e não de um diferencial. Atualize-se sobre o segmento e tendências de mercado. Estude e tenha em mente os produtos da empresa, seus públicos alvo, seus concorrentes. Reflita sobre as possíveis perguntas que farão a você e as respostas (alinhadas ao seu conhecimento, competências e responsabilidades anteriores) que podem ilustrá-lo como um candidato qualificado ao desafio.


10. Apresentar perfil online desatualizado e passivo

Com todas as formas de busca online hoje disponíveis, não ignore o fato de que você pode ter o seu nome e o seu perfil rastreados pelo potencial empregador. Esteja sempre atualizado no LinkedIn. Mantenha-se ativo em grupos de discussão e comunidades relevantes. Evite cabeçalhos que possam denotar fragilidade ou passividade em relação ao seu momento. Ao invés de definir-se como “desempregado”, “em busca de oportunidades”, prefira para a sua chamada manter o título do cargo que pleiteia – o que, inclusive, o deixará mais “detectável” no caso de pesquisas do empregador pelo perfil profissional.


11. Ter uma atitude negativa

Não desperdice tempo nem energia reclamando ou mantendo-se triste, calado, com pena de si mesmo. É certo de que essa a atitude ansiosa permanecerá muito evidente também em sua entrevista. Tenha foco na solução, dirigindo as suas forças para o resultado e não para o problema. Trabalhe em sua empregabilidade com o mesmo rigor que dedica ao seu cargo corporativo. Tenha disciplina, empenho, resiliência e seja altivo. Nenhuma empresa ou chefe será mais responsável pelo seu passe profissional do que você mesmo.


Mantendo-se ativo e dirigindo as suas ações para pesquisas, contatos e relacionamento fará com que o seu travesseiro fique cúmplice do seu dia produtivo, investido com atitude em prol das probabilidades de encontrar o seu novo desafio. E não da esperança e possibilidade de compaixão pela sua situação momentânea. Para esta sensação de dever cumprido não existe salário que possa remunerar.


Vamos com tudo! Bom trabalho!

Upbeat Consulting | Headhunting, Vagas Difíceis

Performance em transições de carreira, de informação e de negócios.